VIVEIRO FLORESTAL UNIVERSITÁRIO VALE DO TELES PIRES

A conservação ambiental é assunto extensivamente discutido desde o início da década de 70, quando se verificou que o sistema de produção adotado na revolução industrial era extremamente degradante ao meio ambiente. Desde então, inúmeras ações têm sido implantadas com o objetivo de mitigar a ação humana na Terra. Um dos impactos ambientais gerados pelo desenvolvimento e crescimento populacional foi a intensa devastação das florestas nativas, dando espaço ao cultivo de monoculturas, criação animal e o crescimento desordenado das “cidades de pedra”. Por outro lado, a arborização urbana proporciona inúmeros benefícios às cidades tanto estético quanto na regulação da temperatura e condições climáticas sendo uma prática indispensável para obtenção de um ambiente urbano mais agradável. Também se faz necessário a preservação ou restauração ambiental em áreas rurais, realizando o cumprimento da legislação ambiental vigente disposta no Código Florestal Brasileiro, qual obriga aos produtores adotarem a recomposição parcial da área com plantio de espécies nativas.

Implantar projeto de extensão multidisciplinar que atenda os discentes do campus de Colíder e a comunidade geral.

Proporcionar aos alunos de Agronomia e Biologia contato com a elaboração e construção de um viveiro;
Identificar e selecionar árvores nativas da região amazônica para produção no viveiro;
Desenvolver aulas práticas com a comunidade acadêmica para elucidar o conhecimento teórico;
Disponibilizar a comunidade colidense e região mudas para reflorestamento;
Realizar cursos e treinamentos em vídeo sobre manuseio do viveiro;

A estrutura para a produção de mudas é conhecida como “Viveiro de mudas” que será construída nas dependências do Campus de Colíder. Para dar início à construção, realizaremos a identificação e demarcação da área sendo que para a construção, utilizaremos como modelo o viveiro de mudas existente no Campus da Unemat de Alta Floresta – MT. A capacidade deste viveiro será de aproximadamente 16 mil mudas em uma mesma época, e aproximadamente 50 mil mudas por ano. Os materiais necessários para a construção serão fornecidos pelo campus, através dos projetos dos cursos de turma única de bacharelado em agronomia e licenciatura em ciências biológicas. As atividades cotidianas do viveiro serão realizadas pelos colaboradores do projeto e estagiários, bem como pelos alunos de bacharelado em agronomia e licenciatura em ciências biológicas. Os envolvidos serão responsáveis pela produção das mudas, distribuição, difusão das informações para comunidade local e regional, organizando as visitas ao viveiro, bem como a elaboração de materiais (vídeos, folders, etc.) para divulgação do mesmo. As sementes para a produção de mudas serão coletadas no campo e também fornecidas pelo banco de sementes instalado no Campus Universitário Vale do Teles Pires – Colíder.

Membros

Juscelino Nunes Garcia Gomes Neto
Ilson Henrique Moreira
Patrícia Paro

BRASIL. Lei nº 12.727, de 17 de outubro de 2012. Diário Oficial da União, Poder executivo, Brasilia, DF, 17 out. 2012. Seção 191. Disponível em: Acesso em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12727.htm>. Acesso em 13 fev. 2020.

BORTOLONI, JOSEANE. Produção de mudas de espécies arbóreas nativas para a recuperação de áreas degradadas utilizando cama de aviário e lodo de esgoto. 2014. 44 f. Trabalho de Conclusão de Curso- Engenharia Ambiental da UTFPR, Francisco Beltrão-PR, 2014.

DIAS, REINALDO. Gestão Ambiental: Responsabilidade Social e Sustentabilidade. São Paulo: Editora Atlas S.A., 2010.

DONAIRE, DENIS. Gestão na Empresa. 2ª ed. São Paulo: Editora Atlas, 2010.

MARENCO, RICARDO A.; LOPES, NEI FERNANDES. Fisiologia vegetal. 3ª ed. Viçosa-MG: Editora UFV, 2009.

SEIFERT, MARI ELIZABETE BERNARDINI. Gestão ambiental: Instrumentos, Esferas de Ação e Educação Ambiental. São Paulo: Editora Atlas,2010. Ambiental
USP. Implantação de um viveiro-escola para a produção de mudas de espécies florestais nativas para a restauração de Reservas Ecológicas da USP do campus “Luiz de Queiroz” e Estações Experimentais de Ciências Florestais. 20 f. Piracicaba-SP, 2013.

VILAR, MARIANA BARBOSA. O setor florestal no Brasil e a importância do reflorestamento. Blog do Mata Nativa. 2019. Disponível em: < https://www.matanativa.com.br/blog/o-setor-florestal-no-brasil-e-a-importancia-do-reflorestamento/>. Acesso em 13 fev. 2020.

Ressalta-se que este projeto faz parte de um programa de extensão que abrange três projetos de extensão, atualmente em fase de implantação. O primeiro projeto será de compostagem, onde será construído uma composteira, a qual se propõem a reutilizar os lixos orgânicos, principalmente os produzidos pela próprio Campus; Um segundo projeto do banco de sementes, que visa gerar um banco de sementes para trocas entre a comunidade, bem como, fornecerá algumas espécies ao viveiro florestal; Um terceiro projeto sobre direito ambiental, o qual explorará uma propriedade rural piloto, no que tange ao cumprimento da legislação ambiental vigente, com o intuito de desenvolver e acompanhar o processo de adequação para o cumprimento das normas ambientais, findando em sua regularização ambiental conforme o Novo Código Florestal.

GALERIA
Em Breve